NOTÍCIAS


E-mail:
Senha:
Esqueceu a senha?
Cotações (BETA)
 
 
Mensagens
Busca
Suporte/Dúvidas
   


 
Notícias

Produção de etanol deve atingir recorde em 2014/2015

Setor Agrícola

A consultoria Datagro também prevê aumento de 4,6% no consumo interno

Mesmo com a continuidade da forte crise financeira enfrentada pelo setor sucroalcooleiro, as usinas e destilarias brasileiras vão processar mais cana-de-açúcar na safra 2015/2016 e produção de etanol de atingir o recorde de 29,11 bilhões de litros, volume 3,3% acima do produzido no ciclo 2014/2015. As estimativas são da consultoria Datagro, que prevê produção estável de açúcar no patamar de 35,5 milhões de toneladas.

As primeiras estimativas da Datagro para a safra 2015/16 foram apresentadas nesta quinta-feira (29/1) pelo presidente da Consultoria, Plínio Nastari. A previsão é de moagem de 642 milhões de toneladas de cana na próxima safra, que começa oficialmente em maio. O volume é 2,3% (14,5 milhões de toneladas) superior ao da safra atual. A moagem no Centro-Sul deve crescer 2,3% para 584 milhões de toneladas e para a região Norte-Nordeste a previsão é de aumento de 1,0% para 58 mil toneladas.

Nastari comentou que a crise hídrica, que provoca quebra de safra nas lavouras e grãos e compromete o abastecimento de água nas cidades, não prejudicou a produtividade dos canaviais. Segundo ele, os levantamentos mostram que os índices de chuva de novembro do ano passado foram superiores ao mesmo mês de 2013 e dezembro houve estabilidade. Neste mês, o volume acumulado está abaixo do normal, mas acima de janeiro do ano passado. Um reflexo do bom estado das lavouras é que a Datagro prevê aumento de 1,6% no teor de açúcar total recuperável (ATR) na cana.

Com o mercado internacional de açúcar com perspectiva de ser mais ajustado que em anos anterior e um excedente exportável de 24,25 milhões de toneladas, a safra brasileira se tornará ainda mais alcooleira. O percentual da safra de cana que será destinada ao etanol cresce de 56,9% para 57,7%. No Centro-Sul a participação do etanol cresce de 50,5% para 51,6%. O crescimento será maior na região Norte-Norte, onde a destinação da cana para o etanol passa de 56,4% para 57,2%.

Devido à maior oferta, a Datagro prevê para está safra aumento de 4,6% no consumo interno de etanol combustível para o recorde de 24,74 bilhões de litros. A projeção é de aumento de 4% no consumo de anidro, para R$ 11,49 bilhões de litros, e de 5,2% no hidratado, para 14,25 bilhões de litros. Ele explica que a previsão de aumento de 1,14 bilhão de litros no cosumo leva em conta o aumento na mistura de anidro na gasolina para 27% e a redução do ICMS sobre o etanol em Minas Gerais. Ele disse que existem indicações de que o aumento na mistura será de 25% para 27% e não os 27,5% como esperam as usinas

Ao analisar o impacto da Cide, que dentro de 90 dias entra em vigor com a taxação de R$ 0,22 sobre a gasolina, Nastari diz que o valor não deve ser capturado totalmente pelas usinas, que devem ficar com ganho das entre R$ 0,7 a R$ 0,12 por litro, pois as margens serão distribuídas também com refinarias, distribuidores e consumidores. O calculo vale para o etanol hidratado, cujo no preço tem relação o da gasolina, por ser produto de uso alternativo nos veículos flex. “No caso do álcool anidro, misturado à gasolina, a possibilidade é de captura dos R$ 0,22/litro”, diz ele.  

Nastari diz que o aumento na Cide ajuda, mas não resolve o problema do endividamento das usinas. Ele afirmou que na próxima safra mais nove usinas devem suspender a moagem da cana, totalizando 92 unidades paralisadas desde 2008. Na opinião do especialista, a retomada dos investimentos somente ocorrerá a partir de uma política de longo prazo, que leve o setor confiar de novo governo.

O presidente da Datagro concorda com a proposta do ex-ministro da Agricultura, Roberto Rodrigues, presidente do conselho da União da Indústria da Cana-de-açúcar (Unica), que defende um “Proer” (renegociação) para as dívidas das empresas, que segundo cálculos do setor privado chegam a R$ 77 bilhões. Plínio argumenta que o endividamento é resultado de um conjunto de fatores, como exigência de mecanização na colheita da cana; quebras provocadas pelas adversidades climáticas, impacto da crise financeira internacional de 2008; e a defasagem dos preços da gasolina pratica pelo governo.

Segundo os cálculos da Datagro, nos período de 2002 a 2014 os preços a da gasolina apresentam uma defasagem de 26,8% considerando o IGPDI. O preço passou de R$ 1,999/litro para R$ 2,904/litro, quando se corrigido pela inflação deveria custar R$ 3,968/litro. No caso do álcool anidro a defasagem no período foi de 11,07% e no hidratado de 10%. Corrigidos pela inflação, o anidro custaria hoje na usina R$ 1,593/litro e o hidratado R$ 1,407.


Fonte: Portal da Revista Globo Rural
Copyright Transvias - Todos Direitos Autorais Reservados. Reprodução integral proibida. Em caso de reprodução parcial, a fonte deve ser expressamente mencionada no formato: "Fonte: Transvias - www.transvias.com.br"
Comentar Matéria Indicar Matéria Imprimir
  Avalie esta Matéria:
 

Comentários
O portal Transvias não se responsabiliza pelo conteúdo dos comentários veiculados nesse espaço.
'Smithd555' - "Really informative blog article.Really thank you! Want more. dddeadkkddkggdkg" (28/11/2016)
'Johng696' - "Just wanna input on few general things, The website pattern is perfect, the subject material is real excellent. Believe those who are seeking the truth. Doubt those who find it. by Andre Gide. ceefafbfbabg" (28/11/2016)
'Johng201' - "Appreciating the time and energy you put into your blog and in depth information you provide. It's good to come across a blog every once in a while that isn't the same unwanted rehashed information. Excellent read! I've saved your site and I'm adding your RSS feeds to my Google account. gffkeefdkeae" (28/11/2016)
mais comentários
Diminuir fonte Aumentar fonte